Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.
Notícias nacionais

  • Defensivos - Publicada em 20/10/2021

Defensivos agrícolas de baixo impacto têm prioridade de registro

Entre as medidas adotadas está o reforço das as equipes que analisam produtos fitossanitários de base biológica e a priorização dessas análises, acelerando suas aprovações

Leia também:

Mapa registra 39 defensivos agrícolas genéricos, sendo 14 de baixo impacto

Setor de defensivos biológicos é o que mais tem crescido nos últimos anos

Mapa atinge a marca de 50 especificações de referência para registro de defensivos biológicos



Por: Ministério da Agricultura (MAPA) - Governo Federal
20/10/2021

Aanálise e o registro de defensivos agrícolas de baixo impacto estão sendo priorizados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Neste ano, já foram registrados 65 produtos dessa classe, que são importantes para o controle de pragas e por representarem baixo risco para a saúde humana e para o meio ambiente. 

Em 2020, foi registrado um recorde de produtos de baixo impacto no Brasil, com o total de 95  biopesticidas, importantes ferramentas para tornar a agricultura brasileira ainda mais sustentável. A expectativa para este ano é ultrapassar este número.   

O Mapa tem empreendido esforços para aumentar a oferta dessa classe de produtos. Entre as medidas adotadas, está o reforço das as equipes que analisam produtos fitossanitários de base biológica e a priorização dessas análises, acelerando suas aprovações. Atualmente, enquanto um agrotóxicos químico leva em média cinco anos para ser registrado, um produto de base biológica não leva mais do que um ano graças a essas priorizações. Além disso, o Mapa lançou recentemente o Programa Nacional de Bioinsumos, para incentivar a utilização de recursos biológicos na agropecuária brasileira. 

Para serem registrados, os defensivos agrícolas devem ser avaliados e aprovados pelo Ministério da Agricultura quanto à eficiência agronômica, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quanto ao impacto para a saúde humana e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) quanto aos impactos ao meio ambiente.



Comentários Comente essa notícia