Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos site. Ao visitar nosso portal, você concorda com esse monitoramento e com nossa Política de Privacidade.
Colunistas

  • 04/11/2021 Marketing Digital

Marketing digital no agronegócio: conteúdo ganha ainda mais relevância com fim dos cookies

Marketing digital no agronegócio: conteúdo ganha ainda mais relevância com fim dos cookies

Marketing digital no agronegócio: conteúdo ganha ainda mais relevância com fim dos cookies 

 

Medida anunciada pelo Google já provoca intensas movimentações, porque vai alterar as regras do jogo - leia-se dos negócios - das marcas no ambiente on-line


Ronaldo Luiz*

Os chamados cookies têm sido uma das principais ferramentas utilizadas pelas marcas em suas estratégias de negócios na internet. De maneira objetiva, os cookies nada mais são do que arquivos criados pelos sites que o usuário visita. Podem ser categorizados em dois: primários, criados pelo site acessado, e de terceiros, criados por outros sites, como anúncios, por exemplo. 
 

Entretanto, uma grande mudança já está em curso. O Google anunciou o fim dos cookies de terceiros no seu navegador Chrome, o mais popular da web. O motivo é o aperto das autoridades regulatórias em todo o mundo no tocante à privacidade das informações do internauta. No Brasil, temos como maior exemplo, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). A despeito de ser adotada em sua totalidade em 2023, a medida já provoca intensas movimentações, porque vai alterar as regras do jogo - leia-se dos negócios - das marcas no ambiente on-line. 


O acesso mais restrito aos dados de navegação vai comprometer a análise do comportamento do usuário, a captura de informações mais personalizadas, a identificação de perfis/personas etc.. Sem a ferramenta de rastreamento, as marcas terão que buscar novos modelos para dar subsídios às estratégias digitais. E os primeiros movimentos mostram que investir em conteúdo passa, agora, a ser ainda mais relevante em um cenário digital sem as facilidades dos cookies.


Destaca-se, então, ainda mais, o chamado "inbound marketing", que, na prática, significa desenvolver estratégias, obviamente, baseadas em conteúdo, para atrair, engajar, converter e vender na internet ou fora dela. As pessoas são mais inclinadas a comprar de marcas com as quais elas estão mais familiarizadas e se identificam e, hoje em dia, o que foi construído no ambiente on-line é fator-chave para tomada de decisão de compra no balcão da revenda de insumos ou na concessionária de máquinas agrícolas, por exemplo. 

 

Atalhos para o conteúdo certo 

 

A estratégia de conteúdo que contribui de maneira decisiva para os negócios não está atrelada a volume. Não é isso, como já destacamos em nossos artigos anteriores. É preciso fazer o conteúdo certo e, para alcançá-lo, recordamos alguns itens-chave:

1) Defina de modo claro e detalhado seu público-alvo;

2) Elenque os diferenciais de sua marca [produto e/ou serviço], realçando nas postagens suas fortalezas;

3) Não faça de seu site ou redes sociais uma pura e simples "vitrine" de produtos e serviços;

4) A "boa" venda hoje está muito mais vinculada a relacionamento do que à oferta.  Lembre-se, não brigue por preço, e sim por "entregar valor";

5) Dê frequência de publicação ao seu conteúdo;

6) Tenha uma identidade visual que "de cara" associe cores e estilos de imagens a sua marca;

7) E, por fim, induza seus seguidores a dialogar com seus perfis nas redes sociais, estabeleça conversas. O diálogo, a interação faz com que os famosos "algoritmos" compreendam que o seu perfil movimenta a rede, gera conteúdo útil, provoca engajamento, o que privilegiará sua marca frente as outras.

 

 

*Ronaldo Luiz Mendes Araujo é jornalista, com 20 anos de trajetória em conteúdo e comunicação digital no agronegócio. É proprietário da ComResultado, agência de conteúdo, comunicação e marketing digital no agronegócio – www.comresultado.com.br

 



Comentários Comente essa notícia